Portal da Saude

Portal da Saúde
Dispositivos que detetam cancro através de gota de sangue são portugueses
⌚ 03.05.2016

Investigadoras do Instituto Superior de Engenharia do Porto estão a desenvolver dois dispositivos "autónomos e baratos" que vão permitir a deteção precoce do cancro através de uma amostra composta por uma gota de sangue.

No projeto 3 P's, liderado por Goreti Sales, "a leitura da amostra de sangue vai dar origem a uma cor, que vai permitir ao médico verificar se o paciente tem um biomarcador (biomolécula que circula no nosso organismo) alterado e indicar a necessidade de realizar análises aprofundadas e específicas", explicou à Lusa a investigadora.

O projeto finaliza em janeiro de 2018, contando com a colaboração do IPO-Porto para o teste do dispositivo em amostras de sangue, urina e saliva.

Já o projeto Symbiotic, liderado pela investigadora Lúcia Brandão, associa os anticorpos plásticos a um dispositivo autónomo que produz energia, mas não usa a célula fotovoltaica. "Se o sinal elétrico dessa célula combustível variar, vai dar indicação a um outro dispositivo agrupado, que muda de cor, indicando ao médico se o paciente tem indícios de cancro", esclareceu Lúcia Brandão.

Este projeto teve início em junho de 2015 e tem a duração de três anos.

A utilização de cookies neste website tem como principal objetivo melhorar a sua experiência.
Ao clicar em qualquer link nesta página está a dar-nos a permissão para usar cookies.