Portal da Saude

Portal da Saúde
A depressão no idoso
⌚ 17.01.2020
Centro Hospitalar Conde de Ferreira

À medida que a pessoa envelhece, podem acontecer muitas mudanças na sua vida, como a perda de entes queridos, a reforma, acontecimentos stressantes ou problemas médicos. Considera-se normal sentir-se intranquilo, stressado ou triste por estas mudanças, mas depois de se adaptarem, muitos idosos voltam a sentir-se bem. A depressão é diferente. É um problema médico que afeta a vida diária e o funcionamento normal.

A depressão no idoso frequentemente não é diagnosticada porque a tristeza neste tipo de depressão não é o seu sintoma principal.

Esta faixa etária apresenta uma clínica atípica. É caraterística a tendência dos idosos para exibir queixas somáticas predominantemente e a sua maior relutância em exprimir sentimentos de tristeza. Frequentemente exibem  alterações do apetite, perturbações do sono, dificuldade de concentração, lentificação ou maior agitação psicomotora, ideias de tipo hipocondríaco e défices a nível cognitivo.

A depressão no idoso tem um impacto evidente. Vai agravar as comorbilidades médicas, aumentando as necessidades de atenção nos cuidados de saúde, incluindo as necessidades de internamento e as idas aos serviços de urgência, aumentando, assim, as despesas no serviço de saúde. Por outro lado, a depressão no idoso vai aumentar o grau de incapacidade e de dependência, deteriorando a qualidade de vida, aumentando o consumo de tóxicos e álcool e o risco de morte. Por último, a depressão no idoso pode levar ao suicídio, nomeadamente se não for tratada.

O tratamento deve estar dirigido à prevenção da perda de funcionalidade e do risco de suicídio, à redução dos sintomas depressivos, à prevenção das recaídas e recorrências, à melhoria da função cognitiva e à adaptação aos fatores de stress psicossocial.

O tratamento da depressão no idoso inclui o tratamento farmacológico com antidepressivos, a psicoterapia, a eletroconvulsivoterapia e estimulação magnética transcraniana e outros tratamentos complementares como o exercício físico, o ioga, uma boa alimentação, as atividades lúdicas e as interações sociais.

 Os antidepressivos são o principal tratamento. Com os antidepressivos os sintomas depressivos começam a melhorar a partir das 2 semanas, ainda que nos idosos demoram mais tempo a fazerem efeito. O tratamento antidepressivo deve manter-se o tempo que o médico indicar para evitar recaídas. A suspensão dos antidepressivos deve ser feita com a ajuda do médico e de uma forma gradual, para evitar a síndrome de descontinuação. 

A psicoterapia também pode ser um tratamento eficaz para a depressão. Ajuda a ensinar novas formas de pensar e de se comportar e a mudar os hábitos que podem contribuir para a depressão. 

A terapia eletroconvulsiva, às vezes, utiliza-se na depressão grave quando não responde aos fármacos ou à psicoterapia. Também está indicada em situações de depressão grave com risco de vida ou que apresenta sintomatologia psicótica ou risco de suicídio significativo.

Marque consulta online com os nossos especialistas em PSIQUIATRIA e PSICOLOGIA.
A utilização de cookies neste website tem como principal objetivo melhorar a sua experiência.
Ao clicar em qualquer link nesta página está a dar-nos a permissão para usar cookies.